14.11.07

Escrevo



Escrevo.

Escrevo aqui nestas folhas verdes ou em qualquer outro lugar, mas escrevo.

Escrevo sempre. Para mim, para os outros.

Escrevo o que sinto, o que penso, o que vejo, o que espero ver um dia, o que desejo ver mais vezes, o que não quero ver, nem pensar, nem sentir.

Por que é que escrevo tanto?

É uma necessidade. É uma vontade, um hábito bom, um gosto.

Um gesto que repito vezes sem conta, anos a fio, frases sem fim.

Gosto de pôr tudo em palavras para poder ler depois, reler mais tarde, recordar. E junto a necessidade que tenho de escrever tudo à sensação gostosa de reler e recordar tudo isso.

Nem sempre são palavras de felicidade. Não são essas as mais importantes para mim. Não tenho palavras favoritas. Todas elas, as que escrevo, são importantes, sejam de tristeza ou de alegria, todas são um pouco de mim, dos meus dias, dos meus sentimentos. Todas me retratam, me descrevem ao pormenor. Ao meu pormenor.

Não posso, por isso, preferir umas e rejeitar outras. Isso seria rejeitar-me a mim mesma.

Para muitos é um exercício difícil de fazer, escrever.

Para mim não. faço-o com gosto.

Por isso, escrevo.

Escrevo.

5 comentários:

Anónimo disse...

Amiga kida,
Fazes muito bem em escrever, porque tens realmente muito jeito e vê-se aqui esse gosto pela escrita, e a beleza que transmites através das palavras.
Conheço-te já há alguns anitos,
portanto, tenho o previlégio de ter a tua presença na minha vida. Tu és uma pessoa divertida, linda,
inteligente que tem inúmeras qualidades.
As pessoas entram na nossa vida, por acaso, mas não é por acaso que nela permanecem, pois o importante não é o caminho, mas o caminhar.
Quem tu és no mundo, faz a diferença!
Sou eternamente grata pela nossa amizade, tu és muito especial e tenho muito orgulho em te ter como amiga.
Obrigada pelas provas de amizade e carinho que me dás, são muito importantes para mim!
Desejo que consigas realizar todos os teus objectivos e metas de vida,
pois tu mereces conquistá-las.
Lembra-te que também podes contar comigo sempre.
Da amiga que te adora.
Pipinha (Filipa P.)

Anónimo disse...

Se gostas de todas as palavras e não queres preterir alguma, podes começar a transcrever todas as palavras do dicionário e só então começar a juntá-las para continuar a abrir o teu coração. Porque as palavras têm sentimentos como as pessoas e querem um tratamento igual, um carinho, um sorriso, que se lembrem. As palavras são nossas amigas. Palavra que é o que eu penso e sinto, porque também tenho sentimentos. Acredita. Palavra.
Ass. Anónimo

Sereia* disse...

Obrigada pelos comentários. Obrigada pela paciência de me lerem.

Amiga Pipa, estás no meu coração, mas isso tu já sabes*

Caro Anónimo, acredito em cada palavra que me dirigiu. Quem não tem sentimentos?
No entanto, não poderia nunca transcrever todas as palavras do dicionário. A razão é simples, quando digo que não consigo preferir palavras, refiro-me somente às que escrevo. E as que escrevo são uma minoria em relação a todas as palavras que existem. Também acredito que as palavras têm sentimentos, mas não acredito que alguém viva o suficiente para as escrver a todas. Menos ainda, senti-las a todas. Volte sempre*

Anónimo disse...

Ola Amiga...
É verdade escreves para ti, escreves para os outros e escreves bem, muito bem mesmo. E escreves-te um belissimo poema para esta velha amiga... lembras-te naquela aula de inglês??? Poema esse que ainda hoje leio e releio para acreditar sempre no meu sonho e pensar que um dia talvez ele se torne real... Um dos sonhos que é bem real é ter o previlégio da tua Amizade. Obrigada por seres que És... beijinhos grandes
SS

Anónimo disse...

Peço desculpa, mas eu é que sou o anónimo. A pessoa que escreve depois da sereia, a que lhe chama amiga, é alguém que a conhece, então que escreva com outro nome. Eu é que sou o anónimo, eu é que sou o anónimo, até já estou a ficar afónico, não conheço ninguém, bebo água da fonte, eu é que sou o anónimo. Não me tirem o nome... O vinho estava bom. Estou confuso.
Ass.: Anónimo (o verdadeiro)