17.4.08

Like Water




Over the sea and far away
She's waiting like an iceberg
Waiting to change
But she's cold inside
She wants to be like the water

All the muscles tighten in her face
Buries her soul in one embrace
They're one and the same
Just like water

The fire fades away
Most of everyday
Is full of tired excuses
But it's too hard to say
I wish it were simple
But we give up easily
You're close enough to see that
You're the other side of the world to me

On comes the panic light
Holding on with fingers and feelings alike
But the time has come
To move along

Can you help me
Can you let me go
And can you still love me
When you can't see me anymore

And the fire fades away
Most of everyday
Is full of tired excuses
But it's too hard to say
I wish it were simple
But we give up easily
You're close enough to see that
You're the other side of the world

Oh, the other side of the world
You're the other side of the world to me

Other Side Of The World
Kt Tunstall & Martin Terefe

Hoje deixo a letra de uma música de que gosto muito. Esta música tem um encanto especial para mim e quando a ouço chego mesmo a sair de mim. Parto para outro lugar e junto-me à água, quero ser como ela (sabendo que sou dela). Saio de mim e vou sonhando com o estado líquido. Deixo de ser eu e passo a ser eu, a água de que fala a música, a água que quero ser no momento. A água que serei um dia, ou sempre que eu queira sair daqui e ir para outro patamar. Um patamar que não sei se é mais acima ou mais abaixo, só sei que não é ao mesmo nível a que estou habituada.
Gosto desta música, do que ela me diz quando a ouço. Gosto de imaginar que sou, de facto, do outro lado do mundo. Do lado líquido do mundo. Do lado azul (e/ou do lado verde) que o mundo tem na sua forma de ser líquido.
Fecho os olhos e consigo imaginar o iceberg, a luz e a escuridão que lhe são próximas e inerentes. Do lado de cima, a luz do sol a reflectir-se e a fazê-lo luzir. Do lado de baixo, a escuridão de uma camada de gelo sob o oceano e a sua profundidade misteriosa e perfeita.
E, mais uma vez, uma das frases que me acompanha faz sentido dentro e fora de mim: Porque sou líquida e não sou sólida*
Na alma, no coração e, mesmo com a aparencia de um iceberg (ou de uma Sereia*), repito para mim mesma, como um desejo muito profundo que peço de olhos fechados com as palpebras apertadas:
Quero ser sempre líquida.
Quero ser sempre líquida.
Líquida*

E com isto lembro-me da Judie Garland no meu filme preferido: O Feiticeiro de Oz, a fechar os olhos, a bater com os sapatinhos de verniz vermelhos e a dizer:

I want to go home,

I want to go home,

I want to go home*


5 comentários:

FavaRica disse...

Gostei muito, muito desta entrada...
Beijos!

Sereia* disse...

Obrigada minha querida Fava Rica.
Obrigada pelas visitas, pela presença nesta minha vida líquida
:)

Thiago disse...

Também eu estabeleço ligações fortes com a música e o mar...bonita reflexão.

Convido-te a conhecer o meu eu e os outros eus.

um beijo mergulhado no riacho do meu eu e dos outros eus

Pipinha disse...

Amiga kida, também gosto muito desta música e gostei muito do teu texto, abriste o teu coração lindo e deitaste cá para fora o que te vai alma. Fantástico!!!
Gosto bué de ti!!!
Tenho saudadinhas tuas!!!! Tenho mesmo que te ir visitar brevemente, não aguento estar muito tempo longe da tua energia e alegria contagiante!
Abraço enorme e apertadinho!!!
Muitos muitos beijinhos carinhosos e abanicos coloridos.
Continuação de bom fim-de-semana com muito carinho, paz e alegria no teu coração lindo!!

Angel of Light disse...

Olá querida, passei rápido para te agradecer a tua visita de há pouco. Vou a caminho da caminha mas não quis deixar de te dizer que a Luz voltou, depois de estar mais voltada na direcção de um dos meus índigos pequeninos. Tudo correu lindamente e agora cá estou eu!

Amanhã volto com calma para te ler.

Beijinhos cheios de Amor, Paz e Luz!