17.12.08

Esta noite sonhei III

Ao longe parecia uma cor quente.
Mas quando ela saiu debaixo de água os olhos demoraram na adaptação da luminosidade e da cor. A cor chegou primeiro aos seus olhos salgados, do que o foco.
Mesmo assim, era longe.





Quando chegou mais perto, viu...

Eram Línguas de Fogo do Santo Espírito da Mãe Natureza que ardiam.
Não havia uma foligem no ar, não havia fumo.
Era a Mãe Natureza que brotava de si mesma
e dela saiam línguas vermelhas, a fervilhar, num ardor de Amor
Num Amor que ilumina qualquer par de olhos que o vislubrem, ao longe





Se fechar os olhos, ainda vejo a cor e a luz.
E as labaredas vermelhas a arder*

3 comentários:

Vergilio Torres disse...

Se eu fechar os olhos, toda a luz do mundo me inudará. Um silêncio de mil cores. Cidades, bosques, serras, praias, o fundo dos mares.

Um abraço para ti e para todos os teus!
Votos de Feliz Natal e Próspero Ano novo, são os votos deste amigo.

PS - O espírito de Natal tem magia suficiente para, também a mim, cobrir de cores.
As sete cores do infinito.
Beijinho para a menina *Sereia

frAgMenTUS disse...

este Vergílio é d+...ehehe

vim aqui para te mostrar o link das ditas fotos de folhas q me fizeste lembrar, qdo vi o teu post lá na Serpente:

http://blogfotosasasanjo.blogspot.com/2008/11/suspensos-tons-doutono.html

não é para te sentires "obrigada" a comentar, nem pensar, é só para te mostar :)

bj e Festas Felizes!!!

Sereia* disse...

Vergílio,

Que sempre os teus sonhos ganhem cor e vida. As cores do infinito... são mesmo essas que eu te desejo em banhos de cinza e escalas cromáticas :)

Que bom que é fecharmos os olhos assim... não é? E chegarmos a todas as cores, a esse silêncio maravilhoso que é a luz :)


Fragmentus,

Adoro fotografia.
Agradeço o link, que visitei com o coração. Pretendo voltar, agora que mo mostraste :)

Achei uma foto tua muito parecida com uma outra minha neste link :)

http://dasereia.blogspot.com/2007/11/escrevo.html

(uma troca de galhardetes... ehehhe)

Beijo-vos aos dois*