30.4.08

Fim-de-Semana: Vou ali e volto já






Este post é só para desejar um bom fim-de-semana
a quem por aqui passar...

Não sei se vou conseguir espreitar os cantinhos mais queridos do meu coração de Sereia* nestes dias. Mas espero que todos tenham uns dias bonitos, coloridos, saborosos.





Estes dias que se seguem vou rumar ao norte, vou-me nortear.

Sigo para Sangemil amanhã,
direitinha à natureza que rodeia o Rio Dão,
direitinha à beleza daquela zona.



Mas, mais do que isso,
vou estar perto da vibração do coração.
Ou melhor, dos corações.

Vou estar presente com o Watsu na minha vida de novo.
Vou partilhar.
Vou dar e vou receber.





Quando regressar, conto tudo.
Beijinhos de Sereia* para todos vocês,
daqueles beijos que têm abraços apertados e demorados*


24.4.08

Aquela que não é coisa :)

Aquela que não é coisa... (lembras-te?) és tu.
Hoje não podia deixar de escrever uma entrada dedicada a ti, minha amiga do meu coração.
Hoje é um dia especial.
Hoje o meu dia é dedicado a pensar em ti, que és Quase Bruxa.
FELIZ ANIVERSÁRIO!
Infelizmente não vou estar ao pé de ti, hoje. Não te vou ver, nem abraçar com um abraço apertado e merecido que tenho vontade de te dar. Vou falar contigo por telefone, daquela maneira que hoje se tem de falar quando se está longe... Fico triste por ser assim, na verdade.
Tu que me conheces, sabes que fico triste por não estar aí.
Mas quando falar contigo por telefone vou tentar arranjar maneira de te ver antes de viajar no fim-de-semana. Porque queria mesmo muito ver-te e abraçar-te.
Sabes como os abraços são importantes para mim!
E se este dia é um dia de festa eu quero muito festejar contigo, embora à distancia, estás no meu pensamento. E tudo o que fizer vai ser dedicado a ti, em silêncio e com um sorriso.
Funciona como uma espécie de ritual para mim. Quando alguém de quem gosto muito faz anos, dedico o dia a essa pessoa, dedico-lhe o meu pensamento e desejo-lhe coisas boas durante todo o dia. Desta não sabias tu!!! Mas é mesmo assim que eu comemoro à distância os aniversários dos que estão no meu coração.
Olho para trás e vejo uma potencial advogada de sucesso a transformar-se numa jornalista... foi assim que tudo começou. Fico feliz por teres mudado, porque só assim nos conhecemos. Agradeço ter-te conhecido um dia, agradeço teres esse teu talento especial para seres minha amiga e me compreenderes e me perdoares, quando tiveste que perdoar.
Agradeço a tua energia e a tua boa disposição na minha vida.
E agradeço AQUELE abraço que me deste e que eu NUNCA vou esquecer... arranquei da mesa da sala de aula com as lágrimas nos olhos e tu foste a pessoa que, no momento, estava lá para me dar apoio.
Também me lembro dos famosos almoços às 4h da tarde, uma verdadeira sandes de queijo fresco, uma verdadeira sopa ou uma verdadeira saladinha.
Lembro-me da tua cara de espantada, porque pensavas que eu estava a gozar contigo, quando pus o teu fio favorito a brilhar no dia do Jantar de Gala de Finalistas :) e lembro-me da maquilhagem fantástica que me fizeste em tons de azul... eu nem me reconhecia ao espelho!
Lembro-me de carregares a câmara de filmar ás costas pelas praias de Sesimbra (de correrem atrás das gaivotas para elas levantarem voo e podermos filmar gaivotas a voar, dava uma imagem tãããão giraaa) e pelas ruas de Alvalade para filmares os passos de um invisual, e de outro invisual se perder de amores pela nossa amiga Lalá...
Lembro-me de fazer uma viagem a 4 até à Oura, em pleno inverno, que correu muito bem e foi muito divertida. E lembro-me de ir passar o dia à praia da Figueirinha, demorei 4 horas a chegar de transportes públicos!!! e quando lá chegámos a água era geladinhaaaa :)
Lembro-me de passar manhãs e tardes e dias e dias nas ilhas de montagem, com cassetes e cassetes de imagens, para fazermos um documentário que foi aplaudido pela turma toda, mas cujo resultado final deitou por terra as espectativas que a professora tinha criado em relação a nós todas...
Se pensar mais um bocadinho em ti, chego ao dia em que te mostrei meu lugar na terra, a Adraga. E nesse dia a conversa levou-nos tão longe e tão alto... foi lindo!
Passo pelo dia do meu último almoço de aniversário em que te calhou, saída de um saco lindo, a supresa única que fiz diferente das outras.
E eu sei, porque sinto, que não foi o acaso! E tu também sabes.
Lembro-me do teu gosto especial por vernizes, por maquilhagem e penteados.
Da tua paixão por vacas (e de ficares às manchas com os nervos) e por animais em geral. E da tua capacidade para defenderes os indefesos e de lutares pela justiça (por isso, digo no ínicio, e tu sabes que sim, que serias uma advogada de sucesso).
Lembro-me da aula em que o professor de português disse que era comum os polícias casarem com as cozinheiras :) Lembro-me das botas cremes de cano alto, compradas em Lisboa. E das horas de sono que parecem muitas, mas que tu precisas para estares bem.
Ah! E lembro-me do meu Panda ir de Sintra à Expo em 35 minutos!!! AH! AH! AH! Esta também foi muito gira!
Admiro o teu sentido de humor, a tua inteligência, a tua capacidade de trabalho, a tua capacidade de fazer desenhos nas paredes com quadradinhos de azulejos :) e de pintares telas, em especial a que me ofereceste.
Continuo a achar que tens olhos verdes, continuo a achar que és doida. E espero que um dia consigar realizar um dos teus maiores sonhos: o do elástico :)
Gosto muito de ti minha querida amiga, queria muito dizer-te isto.
Queria muito dizer-te que foste e és muito importante na minha vida. E tu que me conheces sabes que é assim, porque sabes que a minha memória é de galinha, é o meu ponto fraco.
Mas se me lembro disto tudo e de muito mais que não escrevi... é porque, de facto,
Desejo, do fundo do meu coração, que estejas bem. Que passes um dia especial e que te sintas feliz e amada por aqueles que de facto te importam na vida. Desejo que sorrias muito, porque tens um sorriso lindo e que tenhas boas surpresas (eu sei que gostas de surpresas, das boas!)
GOSTO MUITO DE TI!
FELIZ DIA DE ANIVERSÁRIO.
Hoje sei que, apesar de achares que és Quase Bruxa, tu és como eu sou.
Nunca te disse isto, mas sei que és uma Índigo.

22.4.08

Terra

Sou da mesma Terra que tu*

Da terra das árvores,






da Terra das flores,


































da Terra dos homens,




da Terra dos animais,








Sou da mesma Terra que tu*


Da Terra das pedras altas,





Da Terra das cabeças duras,





Da Terra dos caminhos tortos,







Da Terra das janelas abertas,


Sou da mesma Terra que tu.
Hoje comemora-se a Terra.
E eu, Sereia* do Mar e da Terra, deixo aqui mais uma entrada com fotos minhas.
Numa sequência dedicada à Terra, não à comemoração Dela, mas a Ela.
Desde sempre e para sempre, a minha Terra.
A mesma Terra.
Porque sou da Terra e não do céu.

17.4.08

Like Water




Over the sea and far away
She's waiting like an iceberg
Waiting to change
But she's cold inside
She wants to be like the water

All the muscles tighten in her face
Buries her soul in one embrace
They're one and the same
Just like water

The fire fades away
Most of everyday
Is full of tired excuses
But it's too hard to say
I wish it were simple
But we give up easily
You're close enough to see that
You're the other side of the world to me

On comes the panic light
Holding on with fingers and feelings alike
But the time has come
To move along

Can you help me
Can you let me go
And can you still love me
When you can't see me anymore

And the fire fades away
Most of everyday
Is full of tired excuses
But it's too hard to say
I wish it were simple
But we give up easily
You're close enough to see that
You're the other side of the world

Oh, the other side of the world
You're the other side of the world to me

Other Side Of The World
Kt Tunstall & Martin Terefe

Hoje deixo a letra de uma música de que gosto muito. Esta música tem um encanto especial para mim e quando a ouço chego mesmo a sair de mim. Parto para outro lugar e junto-me à água, quero ser como ela (sabendo que sou dela). Saio de mim e vou sonhando com o estado líquido. Deixo de ser eu e passo a ser eu, a água de que fala a música, a água que quero ser no momento. A água que serei um dia, ou sempre que eu queira sair daqui e ir para outro patamar. Um patamar que não sei se é mais acima ou mais abaixo, só sei que não é ao mesmo nível a que estou habituada.
Gosto desta música, do que ela me diz quando a ouço. Gosto de imaginar que sou, de facto, do outro lado do mundo. Do lado líquido do mundo. Do lado azul (e/ou do lado verde) que o mundo tem na sua forma de ser líquido.
Fecho os olhos e consigo imaginar o iceberg, a luz e a escuridão que lhe são próximas e inerentes. Do lado de cima, a luz do sol a reflectir-se e a fazê-lo luzir. Do lado de baixo, a escuridão de uma camada de gelo sob o oceano e a sua profundidade misteriosa e perfeita.
E, mais uma vez, uma das frases que me acompanha faz sentido dentro e fora de mim: Porque sou líquida e não sou sólida*
Na alma, no coração e, mesmo com a aparencia de um iceberg (ou de uma Sereia*), repito para mim mesma, como um desejo muito profundo que peço de olhos fechados com as palpebras apertadas:
Quero ser sempre líquida.
Quero ser sempre líquida.
Líquida*

E com isto lembro-me da Judie Garland no meu filme preferido: O Feiticeiro de Oz, a fechar os olhos, a bater com os sapatinhos de verniz vermelhos e a dizer:

I want to go home,

I want to go home,

I want to go home*


16.4.08

Quizes, testes e afins...

You Are a Daisy
You see the world with an artist's eye.
Finding beauty is easy for you - even in the dullest of moments.
You notice all of the colors of the world, from fresh grass to sunsets.
You are a total optimist and hedonist. You love to drink life in.
http://www.blogthings.com/whatflowerareyouquiz/">What Flower Are You?

Fiz o teste engraçado.
Um teste que tem perguntas estranhas e das quais não consigo perceber a relação com a flor que me calhou, nem com qualquer outra flor que pudesse calhar...

Já agora,
as minhas flores favoritas são mesmo as Hortenses e as Túlipas...
e... sim, adoro, mas ADORO nenúfares!

Querem ver outro?
Riam-se com este!!! Fiz com o meu nome e vejam no que deu...


What ***** Means
You are usually the best at everything ... you strive for perfection.
You are confident, authoritative, and aggressive.
You have the classic "Type A" personality.

You are relaxed, chill, and very likely to go with the flow.
You are light hearted and accepting. You don't get worked up easily.
Well adjusted and incredibly happy, many people wonder what your secret to life is.

You are balanced, orderly, and organized. You like your ducks in a row.
You are powerful and competent, especially in the workplace.
People can see you as stubborn and headstrong. You definitely have a dominant personality.



É ou não é, de morrer a rir???
Agora vejam o resultado se eu me chamar Sereia*


What Sereia Means
You are the total package - suave, sexy, smart, and strong.
You have the whole world under your spell, and you can influence almost everyone you know.
You don't always resist your urges to crush the weak. Just remember, they don't have as much going for them as you do.

You are friendly, charming, and warm. You get along with almost everyone.
You work hard not to rock the boat. Your easy going attitude brings people together.
At times, you can be a little flaky and irresponsible. But for the important things, you pull it together.

You are wild, crazy, and a huge rebel. You're always up to something.
You have a ton of energy, and most people can't handle you. You're very intense.
You definitely are a handful, and you're likely to get in trouble. But your kind of trouble is a lot of fun.



You tend to be pretty tightly wound. It's easy to get you excited... which can be a good or bad thing.
You have a lot of enthusiasm, but it fades rather quickly. You don't stick with any one thing for very long.
You have the drive to accomplish a lot in a short amount of time. Your biggest problem is making sure you finish the projects you start.

You are usually the best at everything ... you strive for perfection.
You are confident, authoritative, and aggressive.
You have the classic "Type A" personality.

VOZ

Hoje toda a gente falou.
Hoje todo o mundo falou.
Eu falei e nem me ouvi, eu ouvi e nem liguei.
Voz cantada, voz falada, voz ouvida.

Os sons são vibrações.
Há sons maiores, sons que resultam de vibrações
e depois se transformam em novas vibrações
dentro dos corações

Uma corda vocal vibra,
outra vibra,
vibram todas
Ouve-se o vibrar.
Ás vezes, não.
Ás vezes o vibrar não se ouve,
ás vezes não estamos disponíveis para ouvir a vibração
e vibrar com ela.

Voz interior e interna, voz que sobe, voz que desce.
Que vem de dentro e que vai para dentro. Para dentro de nós.
Pode ir para o sítio de onde saiu, ou não...
Pode ir para outro sítio qualquer dentro de nós.
Há vozes que vão deireitas ao nosso coração,
e há outras que vão parar às mãos
(quando reagimos ao que ouvimos),
ou à cabeça
(quando ficamos a pensar naquilo que ouvimos ou que dizemos),
ao estômago
(se ficarmos nervosos),
às pernas
(se tivermos medo)...

Voz que vem de fora, que grita ou sussurra,
Que vem de fora de mim e de fora de ti.
Voz da natureza,
Sons perfeitos, sons bonitos, sons que soam
Sons que mostram e que não ocultam.

Tenho vozes que me ficam no ouvido, por exemplo.
Vozes que reconheço e que me fazem sentir saudades ou me fazem sorrir.
Há vozes que nunca ouvi e também há as que eu não gosto de ouvir.


Hoje comemora-se a voz.



A voz é qualquer coisa que cada um de nós tem e que nos distingue dos outros... vejo-a como uma segunda impressão digital. Mas não se vê, ouve-se.
É engraçado! Quando comecei a pensar na voz antes de começar a escrever este post, o meu pensamento levou-me para sítios que nem sempre me ocorrem.

Deixo um texto de Fernando Pessoa que espero que gostem.



"Cantava, em uma voz muito suave, uma canção de país longínquo. A música tornava familiares as palavras incógnitas. parecia o fado para a alma, mas não tinha com ele semelhança alguma.
A canção dizia, pelas palavras veladas e a melodia humana, coisas que estão na alma de todos e que ninguém conhece. Ele cantava numa espécie de sonolência, ignorando com o olhar os ouvintes, num pequeno êxtase de rua.
O povo reunido ouvia-o sem grande motejo visível. A canção era de toda a gente, e as palavras falavam às vezes connosco, segredo oriental de qualquer raça perdida. O ruido da cidade não se ouvia se o ouvíamos, e passavam as carroças tão perto que uma me roçou pelo solto do casaco. mas senti-a e não a ouvi. Havia uma absorção no canto do desconhecido que fazia bem ao que em nós sonha ou não consegue (...)"
Bernardo Soares
Livro do Desassossego, Autobiografia Sem Factos, 408

13.4.08

Fotos de Sereia*

Eu gosto de fotografar... É uma das minhas paixões.
Mas admito que tenho muito que aprender. Apesar de ter uma boa máquina,
a qualidade é ainda muito relativa e os motivos fotografados são ainda muito reduzidos.
Tenho algumas ideias e alguns projectos (se é que se podem chamar assim..) para o futuro.
O problema é que o tempo que sobra para as minhas paixões é sempre muito curto...
Como costumo dizer: um dia, quando eu for grande, vou ter todo o tempo do mundo para esses meus projectos. Ah se vou! Vou mesmo! Eu sei que vou!
:)

Então... deixo uma sequência de imagens sem sequência nenhuma :)
com uns comentários meus para animar.
E deixo a promessa de melhores imagens que estas. De vez em quando... e quando eu aprender a fotografar como deve ser.

Espero que gostem.
Também... nunca ouvi falar de uma Sereia* que fosse fotógrafa, por isso, acho que me podem desculpar
;)




Ás vezes, acho que o meu coração é verde... e sonho com muitos corações verdes todos juntos a tornarem o mundo um lugar mais bonito e mais puro, para poderem bater em liberdade e com a velocidade que cada momento único nos corações do mundo pode ter*





Não se vê a água, mas ela está sempre presente. Sempre! Mas a natureza também gosta de brincar ás escondidas, também gosta de mostrar que nem tudo o que parece é.
E as folhas de várias cores e de várias formas juntam-se todas e brincam com a água, poisam nela, bebem dela, escondem-na deixam-na mostrar-se por entre espaços que brilham.
É pena que só alguns olhos possam ver esse brilho... mas ele está lá para todos o poderem descobrir*


Parece que fui à Índia. Mas não fui.
Um dia vou!
Fui a Monserrate*








































Momentos, instantes
Ia pisando este momento no caminho de casa depois de um passeio na Serra de Sintra.
Ia estragar a viagem, a travessia. Ia impedir que o momento seguinte se concretizasse para esta lagarta. Não impedi e isso deixa-me feliz*


Já me apetecia dizer Olá ao sol sem vento frio...


Mas há que ter calma e saber esperar pelo momento certo...

A Serigrafia da Ana

Para quem gosta de uma forma de arte em particular... A Serigrafia :)

Para quem valoriza o trabalho feito por profissionais que nasceram neste país, vivem nele e o tentam pôr mais bonito...

Para quem gostaria de oferecer uma prenda e não sabe bem o quê, mas tem ideia de que qualquer coisa bonita, diferente e feita em Português era uma boa prenda...


Deixo uma sugestão cujo link está nos locais favoritos que o meu coração visita...

Cliquem aqui na Sereigrafia da Ana...
http://www.anaventura.com

Gostava de ter trazido umas imagens para vos adoçar a boca, mas não tenho autorização da artista e autora. Nem me atrevo a pedir para trazer imagens da arte que ela faz.
Façam a vossa visita ao site, se gostarem... ficam como eu... encantados*

12.4.08

Gatos: felinos pequenos, de hábitos que começo a odiar!!!

Esta é a minha nova definição para os Gatos, os animais. Faço-me entender.
Tenho que confessar (e quem me conhece bem, sabe que é verdade!) que nunca gostei muito de gatos... sempre adorei cães, mas gatos... (expressão de nariz contorcido)
Mas também nunca fui de extremos e nunca senti um ódiozito que fosse de estimação por estes animais.

E é isso, esse ódiozinho de estimação, que tende a crescer. Assim, como quem não dá por nada. Assim, como quem não quer a coisa. Assim, como quem antes nem ligava e agora já não suporta!

A verdade é que os gatos TODOS (e, ao que parece, não são poucos!!!) dos vizinhos e os vádios também, resolveram, de há um tempo para cá, marcar o seu território precisamente nas minhas duas varandas. E é isso que me chateia quem nem uma dor de ouvidos, quem nem as melgas no verão, que nem os riscos que outros fazem nos carros alheios...
Fico mesmo furibunda! E a minha vontade é organizar uma caça ao gato. Mas não a um gato qualquer assim que passe na minha rua. Não. A caça ao gato quem entra na minha propriedade sem autorização (Pergunta para queijo: qual é a invasão de propriedade que não se pode denunciar à polícia???).

A sério! É que fico mesmo chateada, principalmente porque TODOS os dias é a mesma coisa!!! Abro a janela e vejo os cocós dos ditos cujos espalhados pelas duas varandas. Ainda por cima, podiam escolher uma em detrimento de outra, mas não. É nas duas!

Mais ainda, desatam a gritar daquela forma aflitiva que os gatos têm de gritar, parecem crianças, durante a noite. Impossivel dormir com gritos de crianças na rua emitidos por gatos. A sério! Estou a chegar ao meu limite.

E o pior é que nem sei muito bem o que fazer para acabar com esta pouca vergonha.
Não há maneira de mandar os animaizinhos passear para outra freguesia... por isso, deixo um desafio a quem me estiver a ler: deixem um comentáriozinho para me animar e se tiverem ideias giras para me ajudar... agradeço do fundo do meu coração.

Finalmente posso dizer com alguma convicção: ODEIO GATOS!!!
E sim, vou mesmo arranjar um cão!

6.4.08

O Azul e o Verde


Gosto do azul e do verde.
Desta forma natural que o azul tem e que o verde também tem.
Desta maneira de ser azul e de ser verde na natureza,
no mundo.
Ao nossos olhos, de forma natural e gratuita, mostram-se...
o azul e o verde, e esperam que os observemos.
Que os consigamos ver da cor e da forma que eles são.




Gosto do azul e do verde.
Dos recortes que fazem um no outro...

Gosto do azul e do verde.

Quando tento ver o azul por entre o verde...

E quando tento ver o verde por entre o azul...

3.4.08

Clown

Is the music too loud?
Is he eluding the crowd?
Does he know how to sing?
or Is terribly, terribly me

See that girl over there
Is she trying to get somewhere?
Don't you think? She is a thrill
or is terribly, terribly me…

See that look in her eyes
Is she thinking that clown should die?
Does he know how to sing?
or is terribly, terribly…

Why? Is it so hard to believe
in those things that we need
and Why Is it so?

Pa pa ra pa pa pa pa
Clown, The Gift


Sons, músicas, palavras que gosto de ouvir.
Adoro esta música dos The Gift.
E espero ouvi-la em breve, no concerto a que espero assistir no próximo dia 10, no Coliseu dos Recreios :)
Acreditem que vale bem a pena!

1.4.08

Há alturas assim...

Há alturas na vida em que não conseguimos corresponder àquilo a que as pessoas que nos são próximas ou mesmo mais distantes esperam de nós... nem mesmo àquilo a que esperamos de nós mesmos.
São alturas na vida.
E eu acho que atravesso um momento em que me sinto assim, incompatível com o mundo que me rodeia, com as pessoas que lidam comigo diariamente e com outras pessoas que só lidam comigo ocasionalmente. São fases...
Tenho que fazer uma confissão. É uma confissão algo inesperada, porque não me considero supresticiosa, mas devo dizer que os anos que terminam em números pares, normalmente, não me correm muito bem... Fiquei com esta mania faz este ano 10 anos. Desde 1998 que ano sim, ano não, penso o mesmo. É palermice, eu sei. Chega a ser ridículo pensar assim, mas o facto é que não consigo evitar.
Ando fora de mim, fora daquilo que eu considero ser eu mesma, fora daquilo com que me identifico como ser humano, como pessoa. Fora daquilo que eu considero ser eu de uma forma também espiritual, fora da minha alma.
É como se este corpo que trago não fosse o meu, como se o que digo e faço todos os dias também não fosse eu a dizer e a fazer. Como se eu estivesse sempre longe deste espaço, desta forma corporea. Como se não me encaixasse no aqui e agora.
Há uns dias tive uma proposta que iria alterar uma parte da minha vida, uma proposta que não pude aceitar. Não consegui deixar pendurada a parte da minha vida que iria ser alterada, passada para trás. Infelizmente. Mas a proposta deixou-me a fazer contas de cabeça para o meu futuro próximo que, quer eu queira, quer não, vai mudar. Mais cedo ou mais tarde.
Tenho uma amiga muito querida (a mamã galinha dos tais pintainhos :)) que já me disse 1000 vezes para não deixar passar a oportunidade única que me foi proposta... mas eu não consegui...
Não consigo. Não agora. Não já.
Sei que o que tiver de ser, será. Não adianta adiar ou correr...
E também sei que as boas oportunidades raramente se repetem. Mas neste momento, o tal momento da vida de que falava, não me sinto capaz de corresponder, de mudar. Não estou em mim e por isso não posso corresponder nem mudar.
Um dia destes estava a pensar o facto de lidar todos os dias com dores físicas de muitas pessoas diferentes, dá-me ou dá-nos alguma margem de manobra para gerirmos cá dentro de nós mesmos o que pode ser doloroso, o que pode doer, mesmo fisicamente, mesmo quando falamos de doenças, principalmente quando falamos de pessoas já com uma certa idade que todos os dias sentem inevitavelmente uma dor de costas, de braços, de pernas, etc...
Mas não dá. Descobri que essa margem desvanece rapidamente se essas pessoas que adoecem ou se tornam mais sensiveis forem aquelas que mais amamos. Descobri isso há 10 anos e este ano par voltou a lembrar-me disso desta forma tão clara e tão evidente.
O que faz com que as propostas únicas não sejam aceites e a alma e o corpo não se identifiquem, não se juntem, não se correspondam.
Ando separada de mim mesma.
São alturas na vida...