6.1.09



foto de Fava Rica



Outra vez solto
a olhar. O paraíso
é assim: à semelhança do inferno,
mas em tudo diferente.
Por exemplo: aqui trocamos os nomes todos,
cada dia é uma nova
constelação. Do outro lado
dos teus olhos,
quando o retrovisor espreita
por cima dos teus ombros,
fica um mundo suspenso,
o manso amor, o vento.


António Franco Alexandre
Quatro Caprichos

7 comentários:

Anónimo disse...

Ola Sereia...
Nadei até aqui bem fundinho neste mar e no teu coração, para te desejar um Novo Ano repleto de coisa Boas e Muita Saúde. Espero tb que este ano te traga toda a tranquilidade e felicidade que tanto procuras e sinto que necessitas encontrar... Sê Feliz... Fica Bem e muitos Beijinhos repletinhos de saudadinhas...
BOM ANO
Sónia Sousa

Isabel Santiago disse...

Sereia,
desculpa chegar sem avisar e por aqui entrar. Mas prometi para amanhã o que não vou conseguir. Não fiques triste comigo, mas nem sempre consigo ser, e escrever é ser, em espaços que se embrulham do que eu não sou e do mundo a que não pertenço. Não sendo do mar pelas mesmas razões que tu, desculpa não gostar de mergulhar em certas ondas e adiar o que tenho para ti, mas não consigo ser onde não sou. Mas já aqui, onde vim agora pela primeira vez, e renovo o pedido de desculpas por não ter autorização para o fazer, vi logo um poema de um professor meu. E vou para sempre amar os professores, mesmo os que não compreendi tão bem...Mas este há-de ser um dos maiores do século XX, e quando há um grande que nos toca a alma, ela fica em festa e experimentamos uma realeza que condiz com o devir que somos.

Tudo para dizer..."desculpa, não me esqueci que estamos numa conversa..."


Isabel Santiago e um sorriso para ti. Graaande e grande como dizia quando era pequenina...

Sereia* disse...

Isabel,

Para quê desculpas por me visitar no 'meu' Mar?
Para quê pedir perdão por deixar palavras que me rebentam no coração e desaguam em mim, como ondas?

O Mar é de todos... é por isso que sempre o coloco entre aspas quando lhe chamo 'meu'. Na realidade (todos sabemos) ele não é 'meu' nem de ninguém. Ele não pertence, não se pode dominar, nem possuir.

Isabel, é sempre bem vinda! Sempre! Pode voltar sempre que entender e pode trazer amigos... este Mar é aberto e nem o horizonte mais bonito pode dizer ao mundo que lhe pertence.

Venha sempre mergulhar ou olhar (ainda que pelos meus olhos) o Mar.

Quanto à nossa conversa... não há pressa. Espero que não se sinta obrigada a nada. As Sereia* têm todo o tempo do mundo :)

Quanto ao autor do poema que escolhi... não conheço :( Mas partilho desse Amor pelo professores de que me falas.
Também sou facilmente marcada por eles e tenho memórias que não quero nunca esquecer.

Mando beijinhos enorrrrmes para uma amiga tão especial*

Isabel Santiago disse...

Um sorrissoooooooo. Não me sinto obrigada, sinto o dever como outra força em mim, como a amizade, o amor, a dedicação. É assim, estranha, a que sou. Voltarei então!

Que tenhas um dia feliz.

kakauzinha disse...

Querida Sereia, "cada dia é uma nova constelação" e cada uma traz-nos novas ilusões. Um lindo poema que nos dá vontade de ir roubar ao céu todas as constelações para brilharem na nossa vida. E assim espero que tenhas muitas, alegres e suaves, para sorrires sempre.

Beijinhos azuis****

Sininho disse...

Querida e Linda Sereia, vim espalhar um montão de estrelinhas cintilantes neste teu mar delicioso.
Cada novo dia é uma nova constelação, um novo recomeço, uma nova oportunidade para se fazer coisas boas.
Gostava muito que lesses o que escrevi na Terra do Nunca e que me desses a honra de ler as palavras lindas que saem do teu coração doce. A tua opinião é muito importante para mim!
Desejo-te um óptimo Domingo com muito carinho, paz e alegria.
Muitos beijinhos carinhosos e abraço apertadinho.

FavaRica disse...

Já andava à espera desta foto no teu blogue há muito tempo ;-)
Amáááália... hihi!
Ricos dias!
Beijos!
O México foi fabuloso!