26.1.09

A outra pessoa a quem escrevo hoje é a Kakauzinha, que me deixou um convite no seu blog Me, A Name I Call Myself para escrever 6 coisas sobre mim.
Convite esse que eu aceitei :)
Obrigada Kakau por teres convidado a partilhar


As regras são:

1. Pôr o link da pessoa que me convidou;
2. Escrever as regras do meme no blogue;
3. Contar seis coisas aleatórias sobre mim;
4. Indicar mais 6 pessoas e respectivos links;
5. Deixar um comentário a cada uma dessas 6 pessoas.


Então… Contagem decrescente…





6.
tenho o grande sonho de um dia poder vir a ter a minha casa de madeira.
O sonho vai ao ponto de conseguir imaginar como vai ser a porta, a cozinha, a sala, a cor, a decoração, o sofá, o quadro da parede, o alpendre. Imagino a festa que vou fazer para celebrar o acontecimento que será dar as boas-vindas aos amigos. Imagino as velas acesas e o cheiro do incenso, imagino os sorrisos e os copos a bater em tom de brinde e de felicidade. Imagino a Bolota a correr feita doida e a entrar pela porta dentro e a escorregar pelo chão fora até acertar numa decoração da casa que eu adoraria que não se tivesse partido em mil pedaços :)




5.
tenho o sonho de poder vir a fazer alguém feliz, algum dia, de alguma forma.
de perceber que a pessoa que está na minha frente é feliz e que a culpada disso posso mesmo ser eu. Enfim…




4.
tenho o sonho de conseguir perdoar (este não é novidade, foi o meu pedido de natal em 2008) E o perdão aqui é muito mais do que o pedido de desculpas. Muito mais.
perdoar quem me fez cair um dia, depois de eu ter caído muitas vezes seguidas e de ter curado as feridas todas até ao dia em que não consegui estancar o sangue.
Perdoar quem nunca me fez cair, nem escorregar, nem me empurrou, nem nada… mas que me magoou o suficiente com esse nada que me fez.
Perdoar-me a mim mesma, porque todos os dias erro, todos os dias cometo erros graves para comigo mesma e para com pessoas por quem sinto Amor Incondicional.
Perdoar-me a mim mesma por coisas que nunca devia ter dito nem feito, a quem nunca deveria ter ouvido nem visto o que disse e fiz
Perdoar-me a mim mesma por aquilo que devia ter dito e feito e não disse nem fiz.
O perdão é, para mim, o mais difícil de superar em mim mesma e nos outros, mas quero muito melhorar.




3.
Há um tempo atrás, aqui no blog, revelei uma parte de mim que até esse momento eu mesma desconhecia. Nessa altura, postei um texto que podia esclarecer alguns pontos sobre a minha pessoa, ou podia aumentar a curiosidade de quem já me conhece há algum tempo mas que, como eu mesma, desconhecia o nome de uma certa forma de ser e estar que era a minha. Neste desafio da Kakauzinha, vou relembrar isso que sou… E isso tem o nome de Índigo. Sou Águia Cósmica Azul. É isso. Sou azul, sou líquida e sou da terra, não sou do céu. Dou bastante importância às pequenas coisas, percebo coisas sem que as pessoas me digam por palavras, os sentidos e os sentimentos são tudo o que sou sempre e em qualquer lugar. Sou intuitiva e há coisas que Amo e outras que Detesto, não tenho propriamente um meio-termo. E sou Azul… de uma Azul tão lindo, mas tão lindo. Mesmo sem nunca ter visto com os meus olhos, sempre senti o Azul que trago dentro do coração e a colorir a minha alma




2.
Não sou crente nem pratico nenhuma religião e por isso Deus para mim não tem esse nome, nem tem nome de gente. Aquilo em que acredito chama-se Universo, chama-se Infinito, Finito, chama-se Natureza, chama-se Sol, chama-se Água, Terra, Lua, Maré, Onda, Alma, Nuvem, Pedra, Folha, Flor, e vai por aí fora até às Estrelas e às Constelações cujos nomes eu desconheço, invento e raramente sei identificar a forma que têm. Amo todas estas ‘coisas’ incondicionalmente e sem elas na minha vida eu não seria eu, muito menos teria qualquer tipo de vida, muito menos seria alma.




1. E última
Em Fevereiro vou estar com o Watsu por perto. Vou estar com o Watsu no coração, nas mãos. O momento é de espera e saber esperar nem sempre é fácil. Se falarmos de Amor… a espera aumenta exponencialmente. Mas este Amor é diferente e vem. Vem mesmo. E eu deixo-me ir com ele. Vou, mergulho sempre na Paz, na serenidade, na felicidade que é para mim receber alguém em meus braços. Um dia vou poder ter-vos a todos nos meus braços. É outro sonho que tenho. Caminho para lá*


Agradeço a todos aqueles (poucos) que aqui vêm e que aqui chegaram na leitura.
Dedico-vos esta partilha com todo o coração.

E passo a convidar os seguintes:

Fava Rica
O Tempo Ruge
Alguns Anos Depois
Banhos de Cinza
(H)Ortografias
Quase Bruxa

5 comentários:

Vergilio Torres disse...

Aceito(e)! :)

platero disse...

SEREIA

naveguei pelas tuas águas

porque é bom e preciso.

com este frio

só depois de aquecido o corpo

a um bom lume de azinho

beijinho

frAgMenTUS disse...

q lindo post!
tocou-me sobretudo a parte do perdão (pk eu sou hiper-sensível e, infelizmente, nunca esqueço-nem do bem nem do mal e qto a este último, às vezes guardo rancor, fico ali a "ruminar", entendes? mas até sou bom coração mas fico sempre com uma "pedra atravessada" se a dor fôr realmente funda cm, infelizmente, tenho!); da cor índigo, p acaso, vou agora mandar um mail à rita/anjoluz p/saber do contacto da leitura de aura mas sinto-me azul, tb (veremos, dps digo-te lol);e a última parte, do amor cósmico q nos deve perpassar em partilha gentil para com tds as criaturas, é algo q realmente perfilho!
noite feliz, bj

Maria Clarinda disse...

Maravilha ter vindo hojje até aqui...este post mexeu comigo, irmã indigo!!!!
Jhs mtos

Clarinda Galante disse...

Eis....o n/silêncio Azul!!!!!
Sim AZUL somos as duas Azul...lindo!