31.10.09





Quero apenas água na minha vida



*Regresso ao Watsu com direito a dois dias de visita às águas mágicas de Sangemil
Bom fim de semana a todos os mergulhadores!

28.10.09




Íamos, sem saber para onde,
Perseguidos por miragens de cidades
Derrotadas construídas no milagre,
Hortelã pimenta aos nossos pés,
As aves acompanhando-nos o voo,
E no rio os peixes à procura da nascente;
O céu, a nós se abrindo.


Arsenii Tarkovskii
8 Ícones
(versão de Paulo da Costa Domingues)

25.10.09

Dedicatória


À Adraga do Meu Coração*








Hoje acordei e sou rocha.
Nem passado, nem futuro estampado no rosto. Talvez uma escarpa mais pontiaguda me denuncie, por entre as outras rochas. Ou talvez faça temer algum pescador que queira lançar a cana daqui.





Hoje acordei e sou rocha.
Há grãos de areia aos meus pés que foram pedaços de mim. E eu já fui feita dessa areia que o Mar leva daqui. Todos eles se misturam com outros grãos de outras rochas e com o Sal. Todos eles ganham nova vida depois de se soltarem de mim e fazem viagens que eu fico a imaginar daqui.





Hoje acordei e sou rocha.
Sou feita que um material do mundo que me escapa ao entendimento. Todos os minerais que me compõem, os sais, todas as pequenas quantidades de minerais dissolvidos ao longo dos séculos… tudo isso me traz o equilíbrio de que preciso para que não se dê o colapso.





Hoje acordei e sou rocha.
A textura e a estrutura com que acordei hoje é de uma verticalidade que me assusta. Sempre tive vertigens. Sempre tive medo das alturas.





Hoje acordei e sou rocha.
Fragmentada, com alguma inclinação, provocada pela erosão dos dias e por vulcões desconhecidos. Todos os dias e todas as noites, os ventos fortes me trazem e me levam outras partículas da terra e do mar.





Hoje acordei e sou rocha.
Sem me importar com clareza com a força ou a suavidade com que as ondas me tocam.
A suavidade traz um manto branco e puro que me tapa a escuridão da pele. E a força traz os salpicos que me enfeitam e me dão o brilho ocasional que uma rocha tem em frente do sol-pôr.





Hoje a cordei e sou rocha.
A dureza não me deixa satisfeita, a resistência também não.
Mas ter os olhos cheios de Mar, ser quente, a ferver de beijos do Sol, vê-lo descer e colorir o horizonte a cada dia, ver chegar a Lua e dormir com ela, faz-me sonhar sem querer ser outra coisa.


Ao Amor II



A TI, ainda.

(escolhi a versão original, porque foi a primeira que conheci desta música, mas também gosto muito da versão da Maria Bethânia)

Ao Amor



A TI.

24.10.09

Contrariando todas as previsões, indo contra e de encontro, desconhecendo o que todos julgam saber, saltando em andamento, fechando os olhos às evidências, criando evidências novas para enganar a única pessoa que precisa de ser esclarecida...

E, de repente, O zoodiaco chinês diz que é macaco, a Numeralogia diz que é 3, o outro diz escorpião...
Mas, eu não sou nada disso. Não me sinto nada disso.
Há a promessa lida de que seria uma mulher de negócios imbatível, implacável, muito bem orientada, muito capaz de ter sucesso, com uma capacidade de trabalho extraordinária. Podia até aplicar dinheiro na bolsa, imaginem!!!
Tudo isto se fica a saber sem procurar nada, sem querer saber nada, sem sequer pergutar nada.

Nada disto me convence!
Quero apenas água na minha vida.

O que fazer quando o nosso destino é outro diferente daquele que ecolhemos?

Chega o dia em que nos sentimos fora da Corrente do Norte,
e em que o pôr-do-sol da minha Adraga é a única coisa que me traz paz.
Foi hoje.

De resto... perdida me acharei em qualquer lugar, qualquer dia.
Até lá*

19.10.09

De Saudades (em procura)

Não sei
(não posso saber)
onde moram
(Vêm-me ao pensamento tantas coisas depois de te ler...)
Mas, sonhos e astros
andam juntos de mãos dadas
brincam juntos às escondidas
com o futuro e o passado
(consigo mesmo imaginá-los de mãos dadas)

E eu achava
(porque os meus olhos brilham e o meu dedo indicador aponta bem alto)
que só podiam morar num lugar
(aquele lugar)
só naquele
O lugar que o Universo tem guardado
(naquele bolso escondido)
para cada um de nós saber
a cor do dia, do lago e do mar
sempre que nos perdermos
de nós mesmos
(o nosso ponto de encontro de nós connosco)

Será que é lá?
Eu achava que sim...

:)

*******

Dedico à Saudades,
porque estas palavras foram escritas para ela, depois de a ler.
Tomei a liberdade de trazê-las para o 'meu' Mar ainda sem a sua autorização.

5.10.09

Nem sempre ouço o que dizes

(em tons de azul)


Disseste:
- "Confia no poder do teu toque"


E eu... ouvi:
- "Confia na qualidade do teu toque"