4.2.11

... com a objectiva da alma em abertura total



Sem focar,
sem querer chegar à nitidez,
sem procurar ser certa ou assertiva




sem contornos definidos à risca,
sem riscos que delimitem principio e fim de cor,
e de objecto,
sem perceber claramente,
sem fazer interpretações




Assim sou,
sem tudo isso,
agora
As cores misturam-se,
difundem-se no espaço que lhes reservo na vida
passam por mim e eu passo por elas,
sem foco automático,
com a objectiva da alma em abertura total

4 comentários:

mfc disse...

Gostei da ideia transmitida e do resultado das fotos.

rmf disse...

Belíssima série!

Um abraço, já com muita saudade de visitar o teu espaço... vou navegar mais um bocadinho! :)

Sereia* disse...

Obrigada aos dois pelo mergulho*

Joana Homem da Costa disse...

Tão bonito e inspirado!!! :)