21.6.11

20.6.11

Hoje recordo 'Saudades'




Se há um coração bordado a fio de prata,
(bordado à mão, com dedos redondos de meias-luas perfeitas)
Podia dizer-se que o fio de prata vinha do Mar* ou do Rio
(do rio que nasce nesses braços/ do Mar* que nasce nesses olhos)





Se há girassóis iluminados, olhando o céu
(Como se fossem estrelas da terra, durante o dia)
Iluminando faces
(sem sobreaquecer)
Com uma luz que vai de face em face
(em cada beijo)

Então,
(se tudo isto foi imaginado em dia de arco-íris de Verão)
Então, Saudades
Eu diria que esta é a minha saudação,
Retribuindo essa lembrança da Sereia*

Hoje recordo 'banhos de cinza'

A imagem,
(seja a que for,)
enquadrada dentro de um rectângulo,
(maior ou mais pequeno,)
de papel mate,
(só porque gosto mais,)
e, enquadrada, não porque está devidamente equacionado o objecto dentro do visor
(proporcional em espaço, profundidade, foco, cor, luz, centratura, verticalidade e horizontalidade…)
mas, apenas porque deve caber nesse rectângulo adiante dos olhos.

A imagem
(como vida,)
O clic,
(como momento-a-momento)
da vida, de cada dia
(e da noite fotografada sem flash).
A fotografia para dizer quem somos,
(o que somos, eventualmente)
para nos dizer a vida
(e nos mostrar de onde vimos e para onde vamos)
e nos mostrar caminhos, passagens, pegadas, marcas
(que deixamos à passagem, ainda que, muitas vezes, sem querer… e)
que outros deixam, na fotografia.

O clic
(como decisão)
como acção levada a cabo por um sujeito
(desconhecido e sem carreira profissional de fotógrafo)
que quer com esse clic guardar essa imagem
(que os olhos vêem, ou que o coração sente)
na alma
(porque vagueia,)
porque passa pelos lugares e vai clicando
(vai sendo, vai andando, vai vivendo)

Às vezes, esquece-se de clicar …
(chega mesmo a esquecer-se de si)
e, nessas noites,
(acende o candeeiro de rosas que dão luz e…)
vai buscar a caixa onde guarda todos os outro cliques
(o tal espelho pendurado na sua frente)

Um abraço*

12.6.11


*PARAMIS:* The Ten Perfections


1. *Dana*: Generosity
May I be generous and helpful

2. *Sila*: Morality
May I be well-disciplined and refined in manners.
May I be pure and clean in all my dealings.
May my thoughts, words and deeds be pure.

3. *Nekkhama*: Renunciation
May I not be selfish and self-possessive, but selfless and disinterested.
May I be able to sacrifice my pleasure for the sake of others.

4. *Panna*: Wisdom
May I be wise and able to see things as they truly are.
May I see the light of truth and lead others from darkness to light.
May I be enlightened and be able to enlighten others.

5. *Viriya*: Energy
May I be energetic, vigorous and persevering.
May I strive diligently until I achieve my goal.
May I be fearless in facing dangers and courageously surmount all obstacles.
May I be able to serve others to the best of my ability.

6. *Khanti*: Patience
May I ever be patient.
May I be able to bear and forbear the wrongs of others.
May I ever be tolerant and see the good and beautiful in all.

7. *Sacca*: Truthfulness
May I ever be truthful and honest.
May I not swerve from the path of truth.

8. *Adhitthana*: Determination
May I be firm and resolute and have an iron will.
May I be soft as a flower and firm as a rock.
May I ever be high-principled.

9. *Metta*: Loving Kindness
May I ever be kind, friendly and compassionate.
May I be able to regard all as my brothers and sisters and be one with all.

10. *Upekkha*: Equanimity
May I ever be calm, serene, unruffled and peaceful.
May I gain a balanced mind.
May I have perfect equanimity.


May I serve to be perfect.
May I be perfect to serve.

5.6.11

Hoje... Fluindo

... "Esse movimento tem algumas coisas belas em si. Uma delas é que a água se desloca sempre em direção à profundeza, sempre procura o terreno mais baixo. A água não tem ambição, nunca briga por ser a primeira: ela quer ser a última. "

..."A água vai para baixo, procura o terreno mais baixo, quer ser uma não-entidade. Não quer proclamar-se especial, excepcional, extraordinária."

E é isto! É isto que sinto, hoje.
Sou Feliz*